Buscar
  • Grupo Ecar

Fatores importantes para o trabalho híbrido funcionar

Com a pandemia do coronavirus nos deparamos com a necessidade de aderir rapidamente ao home office e com o retorno das atividades normais muitas empresas aderiram ao modelo hibrido.


Em março de 2022, a Microsoft divulgou seu relatório anual de tendências de emprego. A pesquisa, intitulada "Altas expectativas: permitindo que empregos híbridos funcionem", mostra claramente que as experiências de vida nos últimos dois anos mudaram fundamentalmente a forma como as pessoas definem o papel do trabalho em suas vidas.


Com esses levantamentos e pesquisa intitulou pontos importantes relacionados ao trabalho hibrido. O estudo foi feito com 31.000 pessoas de 31 diferentes países. Fique de olho:


Os colaboradores têm uma nova avaliação do que “vale a pena”


A pandemia mudou as prioridades dos funcionários. De todos os trabalhadores pesquisados, 53% disseram que eram mais propensos a priorizar sua saúde e bem-estar sobre o trabalho do que antes da pandemia. O percentual de colaboradores na América Latina é ainda maior, com 70% deles priorizando sua saúde e bem-estar. No Brasil, o número subiu para 71%.


Os dados também mostram que muitos trabalhadores híbridos estão considerando migrar para o remoto e mais trabalhadores remotos estão considerando migrar para o híbrido nos próximos meses. Ao mesmo tempo, 43% dos funcionários provavelmente mudarão de emprego – uma porcentagem ligeiramente superior a 41% em relação a 2021.


Além da remuneração, os quatro principais aspectos do trabalho que as pessoas acham que as empresas oferecem como "muito importantes" são: cultura positiva (46%), saúde mental/bem-estar (42%), propósito/significado (40%) e horário de trabalho flexível (38%). A Geração Z classifica o feedback/reconhecimento positivo como uma quarta prioridade.


Os gerentes se sentem presos entre as expectativas da liderança e dos colaboradores


Mais da metade dos gerentes pesquisados ​​(54%) acredita que a liderança de sua empresa não está de acordo com as expectativas dos funcionários. 74% disseram que não tinham influência ou recursos para fazer mudanças em nome de sua equipe.


Segundo o estudo, a origem dessa tensão está relacionada ao retorno ao trabalho presencial. Metade dos gerentes diz que suas empresas planejam voltar ao escritório em tempo integral nos próximos 12 meses, mas a maioria dos funcionários (58% dos brasileiros) prefere a flexibilidade dos modelos remotos e híbridos.


"Não há como apagar a experiência de vida e o impacto duradouro dos últimos dois anos. Permitir que os gestores se adaptem às expectativas dos novos funcionários ajuda a preparar a empresa para o sucesso a longo prazo", disse Jared Spataro, vice-presidente executivo da Microsoft.


Os líderes precisam fazer com que o escritório valha a pena


O terceiro ponto-chave da pesquisa aborda a necessidade de reimaginar as funções de escritório para garantir que as pessoas passem tempo juntas de forma consciente. Mais de um terço (38%) dos trabalhadores híbridos dizem que seu maior desafio é saber quando e por que ir ao escritório. No entanto, poucas empresas (apenas 28%) firmaram acordos para definir claramente o novo padrão.


Outra estatística relacionada é que 43% dos trabalhadores remotos e 44% dos trabalhadores híbridos dizem que não sentem que estão participando de reuniões. Esse resultado mostra que enquanto as empresas avançam nos investimentos em espaço e tecnologia, ainda há trabalho a ser feito em termos de cultura.


O estudo concluiu que os líderes devem determinar por que e quando ir ao escritório. "Isso significa definir o propósito da colaboração individual, chegar a um acordo de equipe sobre quando se reunir pessoalmente, definir a etiqueta de reunião híbrida e repensar como os espaços podem apoiar. "


Trabalho flexível não significa necessariamente “sempre ativo”


Embora as reuniões geralmente estejam aumentando, elas estão ficando mais curtas e mais objetivas. O Modo de Produtividade no Outlook mostra que a maioria (60%) das reuniões agora tem menos de 15 minutos. Os dados também apontam para uma mudança para o trabalho assíncrono como parte do novo normal.


“Como todos estão trabalhando em um horário e local diferentes, é importante mover o trabalho da forma mais assíncrona possível, e é realmente intencional quando as pessoas estiverem juntas”, disse Jaime Teevan, cientista-chefe da Microsoft.


Reconstruir o capital social em um mundo híbrido é diferente


Um dos aspectos mais perceptíveis do trabalho remoto e híbrido é seu impacto nos relacionamentos. Apenas metade dos trabalhadores remotos pesquisados ​​disseram ter um bom relacionamento com sua equipe direta e menos ainda desenvolveram relacionamentos fortes com pessoas de fora de suas equipes.


Com 51% dos trabalhadores híbridos considerando migrar para um modelo totalmente remoto no próximo ano e a mesma participação de 58% na América Latina e no Brasil, as empresas não podem contar apenas com o escritório para restaurar o capital social que perderam nos últimos 2 anos.


“Quando o equilíbrio entre vida profissional e pessoal está fora de controle, a maioria das pessoas corta a construção de relacionamentos para assuntos mais urgentes”, diz Constance Hadley, psicóloga organizacional que estuda relacionamentos no local de trabalho. “Independentemente do status remoto, construir relacionamentos ainda parecerá um luxo que os trabalhadores não podem pagar, a menos que haja uma mudança na forma como o tempo é priorizado e valorizado pelos gestores.”


Gostou desse conteúdo? Acompanhe nosso blog etenha sempre assuntos da atualidade disponíveis para sua leitura.
O Grupo Ecar te ajuda a cuidar de sua equipe, fale conosco e saiba tudo que podemos fazer pela sua empresa.
6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo